First Man, Roma, The Favourite e A Star is Born: de Veneza para o mundo

Começou esta quarta-feira o Venice Film Festival, um dos festivais essenciais do mundo da sétima arte, por onde passam sempre alguns dos filmes que mais marcam o seu ano. Por isso, todos os olhos estão virados para a cidade italiana, para as estrelas que por lá andam, e para os filmes que apresentam. Aproveitando o contexto, achei relevante escrever sobre alguns dos filmes que já estrearam no festival e que têm conquistado elogios por parte da crítica.

Esta edição começou com a estreia de First Man, de Damien Chazelle. Há uma certa responsabilidade de abrir um festival como este, e a verdade é que parece que Chazelle conseguiu ir ao encontro das expetativas. O realizador de 33 anos já é conhecido por estes lados, uma vez que La La Land também foi o filme de abertura do Venice Film Festival no seu ano. Após o musical, Chazelle regressa com um biopic de Neil Armstrong e um relato do primeiro homem a pisar a superfície lunar.

As reações foram fortes. Ryan Gosling, que interpreta Armstrong, tem sido apontado como um favorito aos prémios de melhor ator, e parece que o filme é uma experiência singular sobre o esforço humano por detrás dum momento central da história. Alguns críticos realçam também a veia emocional forte da obra, e parece que a obsessão de Chazelle com o perfecionismo transparece ao longo de toda a duração.

Se First Man representa uma reunião de Chazelle e Gosling, a verdade é que o terceiro membro da equipa de La La Land, Emma Stone, também está em Veneza com um novo filme, The Favourite, de Yorgos Lanthimos. Lanthimos tem-se tornado num dos nomes mais interessantes do cinema moderno, e defendo afincadamente que A Lagosta é dos filmes mais maravilhosamente interessantes dos últimos anos. No entanto, nem A Lagosta nem o seu mais recente filme, The Killing of a Sacred Deer, foram propriamente procurados pelas audiências mais mainstream.

The Favourite é um filme de época, uma re-imaginação do reinado da Rainha Anne de Inglaterra, principalmente focado em aspetos como a inveja. As críticas apontam para um filme que novamente é extremamente original e refrescante, mas parecem-me que este estará mais direcionado para um público mais amplo. Pode ser que seja destas que Lanthimos veja finalmente reconhecido o seu génio nas cerimónias de prémios.

No entanto, talvez a receção mais fervorosa até agora tenha sido a de Roma, de Alfonso Cuáron. O filme, principalmente em espanhol e em preto e branco,  já tinha dado que falar por ser adquirido pela Netflix, mas em Veneza provou-se que as suas chances de glória e prémios são reais. Depois de se aventurar pelo campo dos blockbusters, e de ter feito o adorado Gravidade, Cuáron voltou às suas bases do cinema independente, e parece que os resultados não podiam ser melhor.

O filme acompanha a vida duma família mexicana de classe média durante a década de 70. Para além do impacto emocional da história, parece que este é uma verdadeira pérola visual, com um sentido estético brilhante. É daqueles filmes que pode provar que a Netflix consegue oferecer grandes filmes, e que pode ser uma plataforma de divulgação de filmes que em geral seriam ignorados nas salas.

A última das grandes estreias até agora foi A Star is Born, a estreia na realização de Bradley Cooper, que é um remake de um remake de um remake, sendo que pelas reações iniciais podemos estar perante a versão definitiva. Cooper protagoniza ao lado de Lady Gaga, que tem dado muito que falar num papel que lhe pode valer vários prémios esta temporada.

A Star is Born é sobre um cantor de música country, interpretado por Cooper, que tem graves problemas com a bebida e que se vê num ponto complicado da sua carreira quando conhece uma jovem cantor com um enorme potencial (Lady Gaga). As críticas estão a ser bastante fortes, e este poderá ser um daqueles monstros de bilheteira que domina todas as conversações das audiências ao longo dos próximos meses.

O Venice Film Festival irá decorrer ao longo dos próximos dias, mas estes são alguns dos filmes que já estão a dar que falar, e que certamente irão estar presentes ao longo de toda a award season. Ainda faltam várias estreias importantes, e nos próximos dias iremos ter uma ideia mais clara dos melhores filmes deste ano.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: